+ Ampliar Foto
fechar x clique na foto para trocar
  • SE PIQUE COMPANHEIRO, SUA HORA CHEGOU! / Hélio Motta  
  • Código: 978-85-366-5141-5
  • Scortecci Editora - Ficção - Formato 14 x 21 cm - 1ª edição - 2017 - 176 páginas

  • R$30,00
  • A aventura recomeça nos States, com o Cara e a Lurdinha indo atrás dos índios para questionar sobre o desejo de transformarem-se em cidadãos americanos, um ardil para o governo convocá-los para a guerra do Vietnã. Munidos de uma parafernália de equipamentos jornalísticos, os nossos heróis põem o pé na estrada a bordo do famigerado jeep de rodas tíbias, atrás de moicanos, apaches, sioux e tantos outros. Aproveitam para fazer um tour pelo país, que ninguém é de ferro, descobrem que “índio quer apito” só em música brasileira, e voltam até para a “terrinha”, entre um trabalho e outro, para acompanhar a tresloucada Janis no carnaval, dessa vez do Rio de Janeiro. O Dennis mostra-se o perfeito escudeiro, o homem da frase mágica “dinheiro não é problema”, e leva a trupe para o Copacabana Palace, casa em Búzios e voo em primeira classe. Coloca sua casa de Malibu, em Los Angeles, à disposição para estadia na cidade, regada a festas e limusine na porta. Era o sonho americano, mas aí a Janis teve um “aquele” e foi-se, partiu para uma melhor, deixando os baianos, já bastante americanizados, a ver navios. Por falar em navio, quando ele começa a afundar os primeiros a cair fora são os ratos, teve um que foi rapidinho filmar na Europa. Vida nova, batente pela frente para descolar o pão de cada dia, os dois têm um efêmero vislumbre de um sucesso iminente que veio seguido de uma quarta-feira de cinzas, e bote cinzas nisso. Só resta dizer que foi muito bom, enquanto durou.

    Com este livro Hélio Motta completa sua trilogia, iniciada com Oxente, Companheiro, Até Você? e seguida por Aonde, Companheiro, Tô Fora! Nos intervalos, participou da antologia Palavras desavisadas de tudo com o conto intitulado “A sereia”, que narra um outro lado da vida da musa do seu primeiro romance, e da antologia Mais que palavras, com a crônica “Erema”, em lembrança de um grande amigo que se foi.

* As fotos dos produtos são ilustrativas e não correspondem ao seu tamanho real.
Voltar